O senso de adequação é uma habilidade muito sutil e requer boa capacidade de expressão/comunicação, de percepção (em relação ao grupo ou interlocutor) e empatia (capacidade de entender o que o outro está sentindo) AO MESMO TEMPO. Quanto menos usarmos essas ferramentas menos adequados seremos e , portanto, menos compreendidos e, portanto, mais colocados de lado pelos outros e, portanto, sofreremos a solidão do tipo abandono. Para algumas pessoas, QUE NÃO PERCEBEM O QUANTO SÃO INADEQUADAS, isso as faz se tornarem reativas, revoltadas, raivosas, vingativas porque NÃO SABEM – C O M O –  estão se comportando, não percebem!!!

O fato é que quando somos inadequados, demonstramos o quanto estamos desconsiderando os outros. Os outros QUE PERCEBEM ISSO, exercem a desconsideração em relação a nós. Não por mal necessariamente, mas por sentirem que não estamos com eles e para evitar (mais) conflitos desnecessários. No momento em que sentimos que isto está acontecendo conosco, que estamos sendo inadequados e desprezados, ao invés de sairmos disparando calúnias e ódio, devemos sim observar bem, como temos nos comportado e fazermos as correções necessárias. O BOM senso de adequação pressupõe ausência de egolatria. Controle (não repressão) emocional e expressividade ASSOCIADA à comunicação.

Exemplos de inadequação:
Falar ao celular EM VOZ ALTA no meio de uma reunião. / Mudar de assunto abruptamente, aos BERROS, no meio de uma conversa. /  Falar sem parar e além da média de tempo usada pelos presentes numa conversa (isso exige atenção, percepção e CONSIDERAÇÃO). / Criticar destrutivamente hábitos e idéias. /

O que você quer falar é muito importante para nós (inclusive você). Se você não for adequado,

NÃO SERÁ OUVIDO!!!

Se, ao falar, a pessoa estiver focada no afeto, nada disso acontece.

Foco No Afeto!