O que mais nos adoece ou nos torna saudáveis é a qualidade da relação que temos com nós mesmos e com os outros. Foco no afeto!

Como é que a gente percebe a qualidade das relação? Vendo se ela é digna. O que é relação digna? É a relação onde as partes envolvidas tem o mesmo, ou bem parecido, grau de comprometimento, envolvimento e participação. O que fazer quando ve-se que a relação não está digna? Tente convidar os participantes para um grau de comprometimento parecido entre todos. Se isto
não deu bom resultado, mantenha a distância saudável. Regule o seu grau de comprometimento pelo grau de comprometimento vigente no grupo. Se isto não for saudável para você, saia do grupo. Procure outro ou forme um.
Esse papo de ficar persuadindo pessoas para mudarem seu comportamento para o bem do persuadido, é pura manipulação e controle. Ninguém muda ninguém.
Um bom parâmetro para se formar um grupo cujo relacionalmente a digno, é a observação do grau de afinidade entre os participantes.Quanto mais afinidade, melhor o comprometimento. Quanto menos competição e quanto maior o foco na realização da meta, maior o sucesso do grupo. Ninguém é absolutamente melhor do que ninguém. As comparações são
sempre tolas e levianas. As pessoas são apenas relativamente melhores umas do que as outras em determinados aspectos. Quem carrega uma rocha é tão grande que não consegue entrar numa caverna pequena, e vice-versa. Ambos são indispensáveis ao grupo. Ninguém é melhor do que ninguém. Todas essas ações, para serem dignas, precisam ser feitas com foco na
generosidade, no cooperativismo, no afeto!!!