É no nível do ego que residem nossas diferenças. Mesmo quando parece que não. Nenhum ego entende um amor que não está vivendo. Se a pessoa não está vivendo é porque ele não está na relação amorosa. A frase foi criada para designar, por exemplo, a situação de um casal, em plena vivencia amorosa, observado por um terceiro. Este terceiro, justamente por não estar vivendo aquele amor do casal que está observando, nunca vai entender ou sentir o que o casal está sentindo. O amor nos aproxima pelas semelhanças, pela afinidade. É raro. O comum são as grandes diferenças que vivemos no dia a dia com os diversos outros egos. Já no amor, o encontro não é só ego (periférico) é também na essência (“alma”), daí a impossibilidade de alguém, de fora, entender ou sentir o que o casal está sentindo. Esta é uma das razões de eu ter criado a frase “O segredo do amor é o segredo”. Se uma pessoa está em uma relação amorosa e não está vivendo o amor, ou está negando o amor ou não há amor a ser vivido, está equivocada. Isso já remete à uma outra frase que criei para esta situação que é: “Não existe amor não correspondido, é sempre uma das partes que está equivocada”.