Se há alguém com quem você tenha grande desafinidade, cuja distância é impossível no momento, devido a convívio em cativeiro, tipo família, trabalho ou cela mesmo, claro, faça de tudo para ficar longe quanto antes. Enquanto não for possível aproveite para conferir o que há em você que você odeia no outro. Muitas vezes temos características que nos incomodam e que não vivemos ou nem mesmo admitimos que temos, e quando as vemos exercidas pelo outro, odiamos. “- E aí?” Você pode perguntar. “- O que que eu faço com isso?”. Se essa característica for destrutiva para você, então ela não é parte de você, apenas está em você. Comece a trabalhar para se livrar dela. Se essa característica for construtiva para você, simplesmente assuma-a. Nesse caso o que você sentia não era desafinidade, era só inveja. Acontece com todos nós.