Um truculento, que o é por falta de sensibilidade e percepção, não é tão lesivo quanto uma possível vítima sua que, eventualmente abrace a revolta, o ressentimento, a mágoa e a raiva como reação aos danos sofridos. Estes tem a música da voz contaminada pelos tons que oscilam entre a lamentação e a mágoa irada. Poluídos e poluentes emocionais, tendem a cobrar do mundo uma dívida que na realidade não existe. Solução: 1 Perceber que o truculento o é não por uma questão pessoal e sim por absoluta falta de percepção. 2 De posse dessa percepção, perdoar, ficar o mais longe possível e parar de ficar cantando o lamento da mágoa raivosa, poluindo seus diálogos e monólogos. A música da sua voz será a da alegria e da leveza.

É bom gravarmos a nossa voz, de vez em quando, para percebermos o que estamos cantando.