Uma relação pode ter um problema causado por um problema relacional de uma ou das duas partes. É bom separar essas coisas pra não ficar nos rótulos limitantes e superficiais do tipo: “Ah, a gente não dá certo”. Os dois podem ser dotados de uma excelente afinidade “química” e os egos não estarem suficientemente capacitados a manter o vínculo afetivo ou ainda, individualmente, sofrerem de disfunções relacionais do tipo posse, ciúme, inveja do parceiro, etc. Algumas pessoas me procuram para, através do coaching relacional, resolverem essas questões e ficarem mais preparadas para perceber e viver as relações. Outras, a maioria, chegam já em crise. Torço muito para que, um dia, a falta de informação sobre relações seja menor, bem menor. Não existem receitas de sucesso para o amor, mas o autoconhecimento e o conhecimento de alguns fenômenos humanos básicos ajudam, em muito, a percepção de si e do outro, facilitando imensamente a “dança” harmoniosa do amor.