Viciados em sofrer

Psicólogo alerta para a co-dependência, o mal das pessoas que só sabem viver relacionamentos doentios

Pense duas vezes antes de seguir os conselhos daquele amigo que fica mais próximo quando você está mal. Fique atento quando deitar no divã daquele analista que não faz cerimônia e diz como você deve agir. Seja menos condescendente com sua mãe, sempre pronta a fazer sacrifícios voluntários por você. Cartão vermelho para o marido que realiza todos os desejos da mulher, antes mesmo que ela os tenha. Esses comportamentos, que nos parecem tão familiares e generosos, podem ser exemplares de um dos males menos divulgados de nossa sociedade, fonte de grande sofrimento para uma parcela considerável da população – a co-dependência. O termo, pouco conhecido, define a síndrome das pessoas que só sabem estabelecer relacionamentos baseados em problemas.
O que é um co-dependente?

Vicente Parizi –
É a pessoa que desenvolve relações baseadas em problemas. São relações pouco saudáveis, em todas as esferas. O foco está sempre no outro e o vínculo não é o amor ou a amizade, mas a doença, o poder, o controle. No fundo, o co-dependente acredita que pode mudar os outros e seus relacionamentos são criados não com a perspectiva de respeitar as pessoas, mas de ensinar o que acredita ser melhor para elas. O co-dependente é motivado pelo desejo de transformar o outro – e mandar nele.

ÉPOCA – Como identificar um co-dependente?
Parizi – É alguém controlador, exigente consigo mesmo e com os outros, com baixa auto-estima, minucioso, rígido, com dificuldade de perdoar e compreender, muito crítico mas refratário a críticas.

ÉPOCA – Há cura?
Parizi – Sim, porque é uma síndrome emocional, diferente do vício em drogas, em que geralmente há uma dependência física. No entanto, as pessoas só admitem a doença quando a vida fica inadministrável.

(Vicente Parizi) Psicólogo.